Encontre Rodrigo C. na III Conferência Nacional do Esporte.

Rodrigo C., o mais famoso de nós quatro, foi fotografado na III Conferência Nacional do Esporte. Quem encontrá-lo ganha um autógrafo do Pinga Fogo e um abraço do Benedito.

Para quem está interessado:

“Começou hoje, em Maringá, a primeira etapa da III Conferência Nacional do Esporte, fase regional, promovido pelo Ministério do Esporte e Lazer. As atividades foram desenvolvidas na Universidade Estadual de Maringá. Nesta etapa, foram discutidas e aprovadas propostas futuras para ações do governo federal nas áreas de esporte e lazer, que serão encaminhadas para a Conferência Estadual, nos dias 4 e 5 de maio, em Curitiba.

O objetivo, explica o chefe regional da Paraná Esporte, Agnaldo Luiz Baldo, é elaborar diretrizes para o Plano Decenal do Esporte e Lazer, estabelecendo Linhas Estratégicas, ações, metas e prazos para o desenvolvimento do esporte e lazer no país nos próximos 10 anos.”

fonte: www.uem.br

Anúncios

2ª Feira de Finanças Pessoais de Maringá “Invista em seus sonhos”

Com o intuito de disseminar o conhecimento financeiro, o PET Economia, juntamente com o IPESE, realizará dia 17 de abril de 2010, no Teatro Marista a Segunda edição da Feira de Finanças Pessoais de Maringá.
Tomados pelo sucesso da feira de 2007, e buscando suprir a carência de um evento deste porte numa cidade com grande potencial econômico como Maringá, o PET Economia – UEM reuniu as melhores corretoras de investimentos junto a bancos e imobiliárias para promover um evento de qualidade.

Serão expostos todos os tipos de investimentos, como Ações, Mercado Futuro, Títulos Públicos, Fundos de Previdência, Investimentos Imobiliários, entre outros temas. Além de palestras de altíssimo nível, haverá um espaço reservado para exposição de empresas do setor financeiro, a fim de suprir todas as suas dúvidas pessoais.

A 2ª Feira de Finanças Pessoais de Maringá é uma excelente oportunidade para você tirar suas dúvidas com profissionais certos e experientes em investimentos, e ainda realizar negócios durante o evento. Venha e participe, o seu futuro começa HOJE! Aprenda a organizar sua vida e conquistar sua independência financeira.

Faça seu dinheiro trabalhar por você!

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=IHIz-nmhnSM]

Mais informações: site da feira

Fonte: site da feira 🙂

Atenção vestibulando.

No dia 16 de abril se encerram as inscrições do vestibular de inverno da Universidade Estadual de Maringá. É a sua chance de passar no vestibular mais fácil do ano (pelo menos comparado com o de verão). As inscrições são feitas pela página do Vestibular da UEM ou, para facilitar a vida daqueles que não possuem acesso a internet, a universidade vai disponibilizar, na Biblioteca da UEM das 10 as 18 horas e em locais conveniados, computadores e impressoras.

Os locais conveniados são: Shopping Avenida Center – na Central de Atendimento, de segunda a sábado das 10 às 22 horas e aos domingos das 14 às 19 horas; e Shopping Maringá Park – na loja Espaço Maringá Park, de segunda a sábado das 10 às 22 horas e aos domingos das 14 às 20 horas.

A inscrição custa R$ 90,00 (quantos noventa reais custam o seu futuro?). O concurso conta com 1562 vagas (sendo 308 reservadas para o sistema de cotas sociais) em 48 cursos. Sua chance de parar de reclamar que só tem aquele seu emprego ruim por que não estudou igual o f@#$ da P$^% do seu chefe.

A ficha de inscrição devidamente preenchida, impressa, documentada e assinada deve ser encaminhada à UEM-CVU, no prazo estabelecido, podendo ser enviada pelo correio ou entregue pessoalmente na Central de Recebimento de inscrições do vestibular, na BCE, das 10 às 18 horas.

O interessante é que, neste vestibular se formará a primeira turma de Biomedicina da UEM. As provas serão aplicadas nos dias 18 a 20 de julho.

fonte: www.uem.br

Gomyde em Maringá

Na próxima segunda-feira (05/04), Maringá sedia a fase regional da III Conferência Nacional do Esporte, no anfiteatro Ney Marques, na UEM. As atividades começam às 13h30. O evento contará com a presença de Ricardo Gomyde, assessor especial do Ministério do Esporte, representando o excelentíssimo Ministro do Esporte Orlando “Lero” Silva.

Gomyde, filiado ao PCdoB, deputado federal mais jovem eleito no Paraná em 1994 (aos 24 anos), candidato a prefeito de Curitiba em 2008 e ex-presidente da Paraná Esporte, foi meu “patrão” quando trabalhei no Projeto Segundo Tempo entre 2005 e 2006. No projeto, as crianças participavam de atividades recreativas e esportivas no contraturno. Estagiei no Colégio Estadual Alfredo Moisés Maluf e foi uma boa experiência durante a graduação em educação física.

Assim como Rafa C., Gomyde não deve gostar muito de fotografias:

Esses fotógrafos, viu…

Márcio Pochmann na UEM

Márcio Pochmann, petista, atual presidente do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) e docente do Instituto de Economia da Unicamp, ministrará aula magna do DCE com o tema “Políticas Econômicas e as Perspectivas para o Brasil”. Será hoje à noite, às 20h, no auditório do DACESE, na UEM. Mais informações com o Centro Acadêmico de Economia.

Felipe B., calouro de Ciências Econômicas, estará lá. Ou não.

Zezinho do Sobrenome Esforçado Silva

Texto de Wil Scaliante*

O garoto tem seus méritos. Todo dia acorda antes do sol raiar pra passar uma forte xícara de café. Seu nome é Zezinho do Sobrenome Esforçado da Silva, mora sozinho, não tem filhos, nem cachorro, a única coisa que tem é seu esforço. Zezinho sonhador, como por muitos é apelidado, trabalha de manhã e de tarde, ganha pouco e estuda de noite. Sonha com o futuro, fazendo o presente, sonha acordado, por que quando joga os cabelos no travesseiro o sonho é pesado.

O jovem todo dia dá duro, tão duro que chega a ficar mole, de pernas bambas e cabeça pesada, mas não reclame por que não gosta de perder tempo se queixando. É feliz por estar realizando seu sonho, que não é uma mansão, um carro importado ou uma casa na praia, seu sonho é o conhecimento. Zezinho agradece ao presidente mesmo sem o conhecer, por ter dado a ele a oportunidade de aprender. Zezinho é bolsista do Prouni.

Filho de Chiquinha do Sobrenome Esforçado,não nasceu em berço de ouro, nem em hospital pago. Zezinho é orgulhoso de si mesmo, se orgulha de saber o que está falando. Quando sabe gesticula, explica, fala, argumenta, critica. Quando não sabe, abaixa a cabeça e escuta, depois pesquisa pra saber se é verdade.

Tão jovem sai de casa as sete e volta à meia noite, pega dois ônibus pra ir pra aula e dois pra voltar. Ônibus mesmo daqueles lotado, que tão raro quanto ganhar na loteria é você conseguir ir sentado. Mas educação não lhe falta, quando uma senhora de idade entra na condução, mas do que rápido, Zezinho levanta e estica a mão.

No ônibus ele enxerga um menino, que tem só dois anos, e no meio de todo essa correria, ele acha tempo pra ser simpático. Pergunta nome, idade e sorri. O menino retribuiu com uma gargalhada e logo em seguida faz charminho de criança e mostra a língua.

Zezinho gosta de crianças, lembra dos seus irmãos e de quando teve infância. Miudinho correndo na rua de casa, chutando bola e brincando com a garotada. Taí outro sonho de Zezinho ter filho, ele imagina como seria o seu menino. Mas ainda não achou mãe pra criança, pois pra ele não é fácil ter tempo pra tanta coisa.

Será que Zezinho tem amigos? Muitos, de faculdade, de trabalho, de rua e vizinhos. Ele gosta de uma cerveja, pra trocar idéias e filosofar ao pé de uma mesa. E olha que Zezinho matava aula de vez em quando, pra esquecer um pouco do dia a dia e tomar uma gelada com a meninada. Mas agora é proibido, parece crime, boteco perto da universidade, só a 150 metros. Uma opção de lazer a menos pra Zezinho, diante de tantas, tantas, tantas que ele tem. São tantas que ele não se lembra de nenhuma outra.

Mas Zezinho é inteligente e orgulhoso, de jeito nenhum aceita ser tratado como criminoso. Enche a boca pra falar que é estudante, e de vez em quando levar porrete de policial. Essa história Zezinho insiste em contar, que certa vez depois de um vestibular, que fez na UEM e não passou. Tava sentando na casa de um amigo, ali na Zona 7 onde mora, e depois da prova, abriu uma cerveja e começou a tomar, dai veio o seu policial pra com ele reclamar. “Agora é lei, não pode mais beber aqui em época de vestibular”. Zezinho não entendeu e foi logo indagar: “que crime cometi por minha cerveja tomar?” Zezinho sempre gostou de ser livre e não aceita repressão e pra todo mundo que encontra, conta a história e diz: “estudante não é ladrão”.

* Wil Scaliante, 20, é estudante de História-UEM , Jornalismo-CESUMAR e dirigente da União Paranaense dos Estudantes.

Mesa redonda sobre PAC e políticas sociais

O Observatório das Metrópoles da UEM promove no próximo dia 26 (sexta-feira) uma mesa redonda sobre PAC – Programa de Aceleração do Crescimento – e políticas sociais. Será no auditório Ney Marques, às 14 horas. Participam da mesa de debate as professoras Ana Lúcia Rodrigues e Celene Tonela, do Departamento de Ciências Sociais, e o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo Silva.

Paulo Bernardo, gente boa, nasceu em São Paulo mas fez sua carreira política no Paraná, sendo eleito deputado federal por três mandatos. Também foi secretário de Fazenda em Londrina. É ministro desde 2005. Paulo é twitteiro assumido e, assim como eu, Rafa C., e Gustavo T., tem bom gosto para o futebol e torce para o Palmeiras.

Paulo Bernardo, sempre bem humorado, ao lado de Rafinha Bastos

O dia do Cachorro Grande em Maringá

(inspirando no post do Gustavo, depois de uma conversa com a Alessandra.)

Depois do show que não aconteceu, fiquei imaginando o que a banda Cachorro Grande fez em Maringá.

Depois da confirmação que o show não ia rolar, eles saíram da Aduem à procura de algum show de rock. Como não encontraram, partiram para o Manhatan atrás de cerveja barata. O que eles não sabiam é que o Marcão já estava fechando o bar(já era quase uma da madruga). A solução foi ir para o Guadalajara, na Cerro Azul, onde tomaram cerveja e brincaram na jukebox. Depois foram convidados para tomar tubão e tocar violão no Bosque das Grevilhas por pessoas que conheceram no bar.Eles aceitaram. Lá ficaram até a fome bater e a banda partir atrás de um dogão para fechar à noite.

No dia seguinte, ainda sem saber se o show ia rolar, tiveram o almoço pago no RU pelo DCE da UEM. Depois do almoço, ficaram jogando sinuca na sede do DCE e esperando uma resposta. Com a confirmação que o show ia rolar nas quadras da UEM, eles resolveram passear pela cidade. Depois de andar pelos shoppings, tomaram um caldo de cana no Parque do Ingá e tocaram violão na Praça da Catedral.

À noite, jantaram no RU e fizeram o show, mas foram embora antes de ver a excelente apresentação do Nevilton.

CINUEM

Amanhã, dia 11, voltam às atividades do CINUEM com o filme Uma Noite na Ópera, às 18h30, no Teatro Oficina:

O CINUEM exibe um filme por semana, sempre às quintas, e é aberto para toda comunidade.

Acompanhe a programação nesse blog.

Aviso

No período de 24-12-2009 à 03-01-2010, os portões de acesso de veículos à UEM estarão fechados. O único acesso será pela guarita central.

Ou seja, se você costuma cortar caminho pela UEM, não faça nesses dias. Pois você ficará preso na Universidade como o Rodrigo C. ficou hoje.

Entretanto, você pode passear pelo câmpus a pé e aprender a transformar sua planta de jardim em uma linda árvore de Natal.

ENEMP 2017

Informação relevantíssima: blog divulga, em primeira mão, que o ENEMP 2017 – XXXVIII Congresso Nacional de Sistemas Particulados – será realizado na UEM, provavelmente em outubro. Pessoal da Engenharia Química e áreas afins, preparem-se.

Só quero chamar a atenção para a baixa atualização que o blog vem tendo nos últimos meses. Realmente, a universidade nos ocupa muito tempo!

Quando o vestibular era uma festa

Com a lei seca vigorando nas proximidades da UEM durante a realização do vestibular, atualmente a paz impera por lá. Mas nem sempre foi assim. Até 2007, aquilo era uma putaria agitação só! Jovens se reuniam nos bares após as provas, e aprontavam mais confusões do que em filmes da “Sessão da Tarde”.

Aprontaram tanto, mas tanto, mas tanto, que tiraram a população idosa da Zona Sete do sério, e o poder público resolveu agir. Eis que os vereadores aprovaram a lei seca, que consiste em não vender goró nas proximidades da universidade durante a realização das provas, com direito à força-tarefa policial para impedir qualquer tentativa de desordem e balbúrdia. Termina assim a história desse importante evento maringaense – a festa do vestibular.

Para relembrar esses tempos, resgato dois vídeos produzidos para o saudoso Idéias Ácidas em julho de 2007. Trata-se de uma reportagem redublada. Marcio Tasca, o repórter, aprovou a edição do seu vídeo.

Dois pesos, duas medidas

Ontem à noite, logo após o término das aulas, no bloco G-34 da UEM, ocorreu um evento de confraternização referente à posse da nova gestão do Centro Acadêmico de História – do qual eu faço parte da diretoria. Aproximadamente 30 pessoas, todos alunos da UEM, compareceram. No cardápio havia salgadinhos, refrigerantes e duas garrafas de vinho (convenhamos, insuficientes para deixar os presentes embriagados e com os sentidos alterados). Não havia música ao vivo, nem som, apenas estudantes reunidos e conversando.

Alheio a esse clima pacifico, um vigilante da universidade nos abordou de forma ríspida e truculenta. Sem ao menos perguntar do que se tratava o evento, gritou que era pra parar com aquilo ali, pois álcool é proibido dentro da universidade, a aula já havia acabado e já era hora de alunos “vagabundos e palhaços” estarem em casa, e tomou a garrafa de vinho da mão de um dos estudantes. Aos que tentavam argumentar com o mesmo, ele continuava gritando e dando de dedo na cara de todos. Diante dos estudantes indignados com a situação, o funcionário – nitidamente descontrolado – não teve outra alternativa senão chamar reforço.

Ao menos foi possível estabelecer diálogo com os outros 7 vigilantes que se dirigiram ao local depois, que nos atenderam de maneira muito educada, ao contrário do primeiro que em nenhum momento demonstrou respeito e ética profissional. Indagamos eles sobre a diferença de tratamento que há na universidade, pois é de nosso conhecimento que em várias festas o álcool foi tolerado. Como maior exemplo, tivemos a Calourada da UEM realizada pelo DCE no início do ano – O Circo do Amor – com a presença de bandas famosas. Os acadêmicos compravam bebidas nos bares das redondezas e as levavam tranqüilamente para o circo, montado dentro do campus, sob vistas grossas dos agentes de segurança.

Sobre o questionamento, um deles foi honesto e respondeu: “Se alguém de cima liberar, não há problema”. “Alguém de cima” leia-se reitoria. O principal beneficiado com essa política de favorecimento é o DCE gestão Bonde do Amor, que a cada dia mostra sua verdadeira faceta: a da política de pão e circo com o objetivo de desmobilizar os estudantes. E isso, sem dúvida, favorece a atual reitoria, que já prepara terreno para as eleições para reitor no ano que vem. Em suma, é nítida a troca de abraços, carinhos e beijinhos – como gostam de dizer os “bondianos” – entre os poderes na universidade.

Vale ressaltar também que enquanto os vigilantes se preocupavam com a reunião de estudantes, não são raros casos de pessoas que são assaltadas, agredidas ou têm seus veículos roubados dentro do campus.

Que fique bem claro: não estou aqui para defender o álcool dentro da universidade. Longe disso. A questão vai muito além. Se as leis existem, que se façam cumprir, então, sem diferenciação de status quo. No fato supracitado, ficou bem claro que o DCE pode e o CA de História não. Por que, magnífico reitor? De qualquer forma, não é fácil esperar democracia em uma universidade onde nem o voto pra reitor vale igual pra todo mundo…

Corpo Fechado

Hoje fui passar pela rua Mário Clapier Urbinati, sem saber que ela continua interditada no local do desmoronamento. Não teria passado se soubesse. Enfim, já estava nela quando vi faixas do SETRAN pedindo para desviar. Desviei e caí. Acontece que fui frear para desviar, e por causa da terra que tem na rua, a moto derrapou, então caí. Uma moça com o uniforme de Educação Física, da UEM, me ajudou a levantar e perguntou se estava tudo bem. Por sorte não me machuquei, mas fiquei cheio de terra.

Esse foi o segundo acidente de moto que sofro sem ferimentos. Sou praticamente o Bruce Willis no filme Corpo Fechado.

Boletim de Geografia

Encontrei, na Unicamp, seis edições em bom estado do Boletim de Geografia da UEM. São os exemplares de janeiro de 1984 (ano 2, #2), janeiro de 1985 (ano 3, #3), janeiro de 1986 (ano 4, #1), março de 1987 (ano 5, #1), junho de 1988 (ano 6, #1) e setembro de 1989 (ano 7, #1). Fizeram parte de seu conselho consultivo, entre outros, os grandes Antonio Christofoletti e Manuel Correia de Andrade. Em breve, poderei colocar aqui o índice dos boletins.

Curiosidade: durante o período da publicação destas edições, a UEM teve dois reitores: Paulo Roberto Pereira de Souza e Fernando Ponte de Sousa.

Fauna maringaense

O amigo Julio César, do Tempos Modernos, flagrou um animal exótico nas proximidades da UEM. Um lagarto, que pode ser uma iguana (cadê o Richard Rasmussen quando se precisa dele?), andando tranquilamente pela rua.

 

lagartão dando um rolê perto da UEM

lagartão dando um rolê perto da UEM

O que teria trazido o mini-dinossauro para a civilização? Será que ele se alimenta de pombas? Ou quem sabe ele vem fazer exercícios na ATI, pois alguns lagartos podem viver até mais de 100 anos.  Na pior das hipóteses, ele foi em busca de ilícitos perto da UEM. 

De qualquer forma, é um animal deveras interessante. Torcemos para que ele não seja atropelado por cavalos.

Noticiário

Aos 88 anos, Tinoco precisa de trabalho (via Rigon)
Já passou da hora de voltarem com o Tinoco do Brasil, que foi uma das melhores iniciativas de João Cioffi, “um homem simples e cheio de ideal” (fonte): “Queeeeee beeeeelezaaaaaa!”

UEM oferece cursos de cerâmicas
São cursos realmente bons. Demi Moore e Patrick Swayze formaram-se na turma de 1989.

Prefeitura exige que ferro-velho tenha muro
Ora, por favor. Se o problema está nos alambrados, mandem “murar” também o Colégio Estadual Brasílio Itiberê, um dos endereços mais feios da cidade, e as revendas de carros usados. Quanto à poluição visual, acabem com os outdoors, que alimentam o submundo da propaganda.

Aposentada é agredida e roubada por dupla
Um dos assaltantes era um travesti de 15 anos de idade que alegou ter “fumado uma pedra” e estar “louca”, assim, no feminino. Seria cômico, se não fosse trágico. Além disso, a aposentada envelheceu um ano entre as 2h e as 8h54, como vemos aqui.

Mas ganhou o maringaense que foi, além de agredido e roubado, seqüestrado (assim, com trema).

Agenda Cultural de Maringá

O que fazer para se divertir em Maringá?

Bem, não varia muito. Lá vai a agenda cultural da cidade:

Segunda-feira – Assistir a Tela Quente é o melhor que se pode fazer. E aproveite, em breve a vereadora Marly lança um projeto proibindo isso, afinal, segunda-feira é dia de “gente direita” dormir cedo.

Terça-feira – Até então não se sabia o que acontecia em Maringá nessa data. Agora um bar da cidade promete uma violada, não sei se violarão alguém, ou alguma coisa do gênero, a sugestão é ficar em casa.

Quarta-feira – Grande quarta-feira, dia de se reunir para assistir as rodadas de futebol, pode ser Libertadores, Copa do Brasil ou Brasileirão, não importa. Nesse dia todos vão aos bares que possuem telão e tem a proporção de 10 homens para uma mulher.

Quinta-feira – O dia de apanhar da polícia nas redondezas da UEM, sem dúvida o dia mais emocionante.

Sexta-feira – Ser feito de besta parte I; neste dia a juventude da cidade vai as boates e vê uma das cinco ou seis bandas que tocam se revezando na cidade. A rotina é sempre a mesma: enfrentar fila pra entrar, ficar apertado lá dentro, tudo muito caro e… fingir que todos tem muito dinheiro, claro!

Sábado – Ser feito de besta parte II; você tem duas opções: ou ir a boate do dia anterior e ver um DJ (entenda um CD rolando) ou ir a uma outra boate e ver a mesma banda que no dia anterior estava na outra boate.

Domingo – Dia de almoçar na casa da vovó, depois pegar o carro do pai, ou daquele tio gente boa e dar aproximadamente 45 voltas da Avenida Tiradentes. Se não tiver o carro, você pode comprar cerveja e ficar sentado próximo a um.

Parada desnecessária

semaforo

O trânsito sem dúvida é uma das coisas que mais chamam a atenção em Maringá. Geralmente por imprudência dos motoristas ou bizarrices provocadas por cavalos e carroças. Mas há alguns dias o cuidado exagerado de alguns motoristas me chamou a atenção. Provando a versatilidade do motorista maringaense, que consegue ser bizarro até quando está teoricamente fazendo a coisa certa.

Esse cuidado exagerado ocorre no semáforo que tem no portão da UEM com saída para a Rua 10 de Maio. Acontece que mesmo com a universidade fechada, desde antes do Natal, o semáforo que tem para quem vira na Rua 10 de Maio, vindo da Rua Dep. Ardinal Ribas, continuou funcionando normalmente até hoje, quando passou a piscar no amarelo. E mesmo com o portão fechado, ou seja, sem riscos de acidentes. Algumas pessoas paravam quando viam o sinal vermelho e só seguiam quando ele ia para o verde. O incrível é que nesse mesmo lugar vejo diariamente pessoas furando o sinal quando o portão está aberto e o tráfego considerável.