Agenda Cultural de Maringá

O que fazer para se divertir em Maringá?

Bem, não varia muito. Lá vai a agenda cultural da cidade:

Segunda-feira – Assistir a Tela Quente é o melhor que se pode fazer. E aproveite, em breve a vereadora Marly lança um projeto proibindo isso, afinal, segunda-feira é dia de “gente direita” dormir cedo.

Terça-feira – Até então não se sabia o que acontecia em Maringá nessa data. Agora um bar da cidade promete uma violada, não sei se violarão alguém, ou alguma coisa do gênero, a sugestão é ficar em casa.

Quarta-feira – Grande quarta-feira, dia de se reunir para assistir as rodadas de futebol, pode ser Libertadores, Copa do Brasil ou Brasileirão, não importa. Nesse dia todos vão aos bares que possuem telão e tem a proporção de 10 homens para uma mulher.

Quinta-feira – O dia de apanhar da polícia nas redondezas da UEM, sem dúvida o dia mais emocionante.

Sexta-feira – Ser feito de besta parte I; neste dia a juventude da cidade vai as boates e vê uma das cinco ou seis bandas que tocam se revezando na cidade. A rotina é sempre a mesma: enfrentar fila pra entrar, ficar apertado lá dentro, tudo muito caro e… fingir que todos tem muito dinheiro, claro!

Sábado – Ser feito de besta parte II; você tem duas opções: ou ir a boate do dia anterior e ver um DJ (entenda um CD rolando) ou ir a uma outra boate e ver a mesma banda que no dia anterior estava na outra boate.

Domingo – Dia de almoçar na casa da vovó, depois pegar o carro do pai, ou daquele tio gente boa e dar aproximadamente 45 voltas da Avenida Tiradentes. Se não tiver o carro, você pode comprar cerveja e ficar sentado próximo a um.

Anúncios

Alckmin em Maringá

Quando Geraldo Alckmin veio a Maringá para um comício, eu fui vê-lo para bater algumas fotos para um trabalho de Geografia. As fotos, eu subi aqui.

O comício foi uma bela porcaria. Esperei horas sob o sol quente esperando o Picolé de Chuchu aparecer, enquanto ouvia o Alvaro Dias misturando política e religião (aqui, em vídeo do Andye Iore).

Não obtive uma nota tão alta no trabalho por birra da professora, mas uma das fotos que eu tirei da Catedral serviu para ilustrar vários artigos na Wikipédia. Parece que o povo gostou, pois fizeram até montagem tirando um sarrinho do Rigon com ela.

Eu uso jornal velho para que os cachorros de casa façam suas cacas. Então, hoje, peguei a ed. especial de setembro de 2008 do Jornal da Hora da dra. Marly Martin e não é que vejo a bendita lá? Agradeço ao comitê de campanha.

Marly

Marly

.

.

.

Só lembro que Jesus não é surdo e que, na minha opinião, a construção de um templo, o menor que seja,  não deixa de ser uma edificação como outra qualquer, e, exatamente por isso, não deveria se safar do RIV. E a foto da Catedral, no caso, é meramente ilustrativa: se a nave dela, que é circular, tem realmente 38 metros de diâmetro (fonte), por meio de uma conta simples, sabemos que a nave tem cerca de 1133 m². Enfim.