Carnaval

Eu não consegui ver nenhuma imagem do carnaval de Maringá este ano (não me refiro a festinhas em certos clubes). Certa vez, assisti a um desfile em plena Avenida Brasil, mas nunca mais vi nada assim! Era algo bem feio com pouca gente e muita vontade de parecer com o carnaval do RJ. Acredito que estas pessoas se viram na TV e desistiram…

A grande verdade é que ninguém tá ligando pro tal do carnaval por aqui… É só mais um feriado aonde as pessoas se encontram em determinados lugares, tomam determinadas bebidas e fazem determinadas coisas… Enfim, que bom que acabou! E pena que ano que vem tem mais.

Protegido: O que é consciência negra?

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Análise de vídeo: Globo Repórter

Maringá apareceu no Globo Repórter em 10 de junho de 2005. Em abril daquele ano, fora destaque da Revista Época pelo mesmo motivo: é uma cidade “onde se sai à noite sem medo, as crianças brincam na rua e podem ir à escola de ônibus”, “parece um pedaço do paraíso, quando comparada à maior parte das cidades brasileiras” — a mamãe até “deixa a porta de casa apenas encostada” quando sai para passear com os filhos no meio da rua (calçada para quê?). Maringá saiu em outdoors espalhados por 70 cidades brasileiras. Há quem diga que foi por isso que o caldo entornou.

Dá para andar por aí a hora que for. Porém, nos bairros mais afastados do Centro  (claro), os bandidos invadem casas vazias para roubar duas latas de tinta e o material do pintor (nem o Antonio Ismael na fase mais down do Porta Aberta noticiava isso). E olhe que a população financia a Polícia e a Polícia trabalha, porém, não impede que o trânsito seja violento. Mais uma vez, a população ajuda a polícia: fiscaliza — os próprios cidadãos dão canetadas soft nos infratores, ou seja, brincar de guarda de trânsito é liberado (o que isso tem a ver com homicídios?).

Tudo isso só porque aqui as pessoas costumam se matar menos do que em outros lugares. Nunca o mandamento malufiano “Estupra, mas não mata” foi levado tão a sério. Ofenda a mãe do outro, mas não mate. Cobiça a mulher do próximo, mas não mata. Inveja, mas não mata. Minta, mas não mata. Rouba, mas não mata. Sequestra, mas não mata.

Quem topa um passeio noturno a pé agora, 2h30 da matina?

Programas de TV e suas músicas maravilhosas (3)

Chora Viola — Tião Carreiro e Pardinho (Chora Viola)
http://www.youtube.com/watch?v=-kUYMTKxn4g

Continuando a maravilhosa série — o update nos rendeu um carinhoso comentário de Jany Lima. O programa érreteviano era apresentado por Braguito, atualmente na Rádio Ingamar — que também conta com Antonio Ismael, que merece um post próprio. Braguito, com um timbre à la Xororó, também faz dupla com Campo Grande.

Viola

Viola que é homem não chora

Jones Dark strikes again

O post anterior fazia alusão à estreia do novo programa de Jones Dark na RTV, neste domingo, às 15h. O programa, ao vivo, entrou no ar sem que o Negrão se desse conta — ele disse que foi pego “de calças curtas” e chamou os comerciais. Alguns problemas de áudio, também — Jones Dark tentou dançar Erguei as Mãos várias vezes, mas o sonoplasta soltava a música na hora errada.

Haveria um sorteio de um boneco (muito feio) e de um dvd do Negrão, mas foi adiado para a semana que vem. Para compensar, ele divulgou seu msn: negraopenalata@hotmail.com — eu o adicionei há alguns dias, mas não fui aceito.

A trilha sonora continua ótima: contempla João Cioffi, uma versão dos flautistas peruanos de We Are the World, Gonna Make You Sweat, o tema de Ghostbusters e The Heat is On!

E As Aventuras de Jones Dark, claro. Na roça, uma senhora solitária foi aconselhada por sua comadre a adotar uma criança. Ela, então, pediu ao marido ir ao orfanato na cidade buscar um menino “claro” — nada de “escurinho” ou “japonês”. O velho obviamente trouxe o Negrãozinho Sorrisinho. Vale dizer que este trecho é todo em preto-e-branco. O menino cresce e vira o Negrão e aí o vídeo é em cores.

Uma cena muito marcante foi o Negrão brincando com seu “pai” de esconde-esconde: os dois com dificuldade de correr. Pois é, o Negrão já não é mais o mesmo depois do acidente — foi o velho que chutou a lata para ele, inclusive.

Mas o menino Jones Dark já é um homem e tem que procurar seu caminho. Ele deixa os pais em outra cena marcante e segue seu rumo. Acaba procurando trabalho (este é o tema central de suas aventuras) junto a um homem ciumento que o ameaça com um facão o tempo todo. A esposa, claro, dá em cima do nosso herói — e ele corre sério risco.

Não poderei continuar por enquanto, já que a RTV cortou, sem dó, o programa do Negrão para passar a Inezita Barroso

A Falta d’água

Chaves é bom porque serve para todas as situações possíveis. Hoje mesmo, estava procurando algo para postar sobre a falta de água na cidade e encontro um episódio dele. O episódio em questão, chama-se: A Falta d’água e foi uploadeado pela usuária gabirelch. No episódio, a vila fica sem água depois que Chaves e Quico furam um cano brincando de procurar tesouros escondidos. Para resolver o problema as crianças são mandadas a vila vizinha para buscar baldes de água, causado muita confusão e desperdício de água. Mais uma obra prima desse maravilhoso seriado.

Não preciso dizer que vale a pena assistir, né?

Programas de TV e suas músicas maravilhosas (update)

Junto à lista:

Old Habits Die Hard – Mick Jagger e Dave Stewart (Programa Credencial)

Jany Lima tirou essa da trilha de Alfie, o Sedutor. Virundum: demorei um bom tempo para entender o nome verdadeiro — entendia Oh heavy star ou Oh heavy is the heart. Fizeram a promoção “Cante a música tema do Credencial” — e eu me pergunto onde é que isso foi dar.

Vamos com ele, Maringá!

Os confetes se amontoam desde cedo, hoje, para Hilario Gomes. O dia será repleto de abraços e atenções. Tim-tim!! (Obrigado, Rosi)

Hilario Gomes nascia há 63 anos atrás em Nova Fátima (PR), quando o município ainda pertencia à Congonhinhas, na região de Cornélio Procópio. É “jornalista, radialista, escritor, empresário do ramo da publicidade, produções artísticas, promoção de eventos e realização de pesquisas, agricultor e apresentador”. E também blogueiro. Adora passeios ao ar livre, cinema, música, ler escrever, conversar com gente inteligente, mulheres meigas, humildes e sociáveis. E quem não gosta, não é mesmo?

É moreno, tem 1,77m e 86kg (IMC: 27,5) e olhos e cabelos castanhos. Alega que as pessoas dizem que é simpático, e julga que a sua simplicidade é o que mais chama atenção em sua pessoa. Lulu Santos diria que Hilario é o último romântico: ele não consegue viver sem água, ar, sol, amizade e amor. E quem consegue?

Parabenizamos este cidadão sarandiense por seus grandes êxitos, sem dúvida, expressos na figura do programa Domingo Popular e nas hilarietes. Hilario será eternamente lembrado por nós.

Aí, bonito!

Dr. Gregory Ingá (2)

Ivone andava meio sonolenta e tossia há dias. Isso a deixava sem vontade para caminhar e apitar pela cidade. Preocupada, ela resolve ir ao Hospital Municipal. No hospital, os funcionários acham que o caso é grave e encaminham-na para o Dr. House. Ele acha que os sintomas são apenas consequências da vida que ela leva, caminhando e apitando entre carros, e não se preocupa, prefere ficar brincando na ATI. Mas, no dia seguinte, ela começa a ter febre e fica agitada, deixando House curioso. Ele pede para que um médico de sua equipe caminhe pela cidade como se fosse a Ivone, para ver o que consegue descobrir. O escolhido é um médico que veio de Londrina, que House o chama de Fanfarrão — parece que ele aprontou alguma coisa no hospital de Londrina, perto da formatura. O Fanfarrão faz prováveis caminhos que Ivone percorre durante o dia e conta detalhes para House. O que mais chama atenção de House são as muitas fezes de pombos que o Fanfarrão diz ter durante o percurso. Isso é suficiente para House concluir que Ivone tem criptococose e é por causa dessa doença que ela caminha e apita pela cidade o dia inteiro, já que ela tem como um dos sintomas confusão mental. Agora curada, ela deveria parar de fazer isso, mas ficou só no deveria mesmo. Pois ela não parou e isso nem o House consegue explicar o porquê.

Análise de vídeo: Jones Dark no circo

Peabiruta (não sei se há relação com Peabiru), da comunidade Aberturas de Novelas do orkut, colocou um vídeo de um trecho do programa de Jones Dark no Youtube, em fevereiro de 2008.

No vídeo, o incauto estrangeiro é apresentado a um belo petardo da televisão maringaense.

00’06” : Crase desnecessária.
00’09”: Negrão aparenta estar tendo uma ereção na foto do cenário.
00’11” : Conselho sobre a AIDS.
00’37” : Calangossauro.
00’55” : Referência ao Programa do Ratinho pela música Tueguei Kieusei.
01’18” : É possível ver o cara que faz o Calangossauro atrás do biombo.
01’52” : Toca o tema da Porta da Esperança.
02’12” : A menina revela que usa o redial para ligar mais rápido.
02’35” : Refrigerante Garoto.
02’45” : O Negrão serve a menina de um gole de refri. Mas não há refrigerante no copo. Som de água derramando ao fundo.
03’08” : A menina sai carregando vários litros de refrigerante, além do microfone.
03’33” : Toca o tema da Porta da Esperança.
03’56” : O Negrão revela uma antiga paixão incorrespondida por uma garota do Parque Itaipu, na adolescência.
04’38” : Top Leite. “ÉÉÉÉ! Um leite gostoso…! Saboroso…! O-má delícia…! O leitê que é leitê di verdadi…! Nos melhores comércio de Paranavaí tem Top Leite…! O leite sertanejo…! Alô, Eliseu…! Alô, Fábio…! Se o pessoal chegar no comércio e não tiver Top Leite, EXIJA leite Top Leite, pedipropessoal ligar pra Top Leite. TOP LEITE! O Negrão Sorriso bota féééééé!”
05’04” : O Negrão toma leite na jarra.
05’11” : O Negrão dança.
05’18” : As Aventuras de Jones Dark. O Negrão está na Avenida Tuiuti, entre as ruas La Paz e 28 de Junho.
05’27” : Negrão vê um circo mambembe.
06’28” : Meninos palhaços.
06’33” : Meninos palhaços racistas.
06’45” : Motocicletas estragam o áudio.
07’01” : Mais um comentário racista.
08’01” : “Retornar o lucro”.
09’12” : “Ai minha costa, ai minha costa!”
09’15” : Golf prata, placas JWS 5292.

.
.
.

O circo em questão é o Circo de Mexico, que eu tive o (des)prazer de conhecer em outubro de 2007, quando ele estava instalado na Rua Rio Madeira, Conjunto Tuiuti. A descrição que uma amiga fez sobre os circos vale para esse: “As pessoas vivem em condições ruins, muitas vezes o palhaço bebe, é deprimido, a lona é furada, os animais maltratados. Esse é o circo real, o que circula pelas periferias”. Não o circo com qual o sonha Mallu Magalhães.

Dr. Gregory Ingá (Piloto)

Estava aqui assistindo House e comecei a imaginar como seria um episódio da série em Maringá. Imaginei algo assim:

Um adolescente de quinze anos começa a reclamar de dor abdominal para sua mãe, que verifica que ele também está com febre. Depois disso o jovem vomita e a mãe vai com ele até o NIS mais próximo. Chegando lá, os funcionários dizem a mãe que nada pode ser feito no local e encaminham ela e filho para o Hospital Municipal. De TCCC ela vai com seu filho doente para o HM. Já no HM, depois de um tempo de espera, eles são encaminhados para a equipe do Dr. House. Eles examinam o jovem e levam os resultados para o Dr. House (nesse momento o garoto começa a apresentar diarréia). Entretanto, House nem olha os resultados dos exames e diz que o jovem está com dengue, mas o tratamento não dá certo. Então acontecem aquelas coisas típicas da série, como, por exemplo, mais diagnósticos errados, o House tomar vicodin e achar que o garoto mente. No fim do episódio, House prova que o garoto estava mesmo mentindo e que foi ao centro da cidade escondido de sua mãe. No centro ele comeu alimento contaminado por fezes de pombos, pegando salmonelose.

Yes, we have drunk men

Participação maringaense no Top Five do CQC dessa semana. Tentem adivinhar a empresa no carro. Que orgulho de minha cidade!

Agora, falando sério, não seria tão engraçado se esse IDIOTA tivesse atropelado uma criança, a Luciana Gimenez, a Palmirinha ou você. É rir pra não chorar.

Palavras-chave: teste do mafômetro, Ricardo, CQC, Top 5.

Programas de TV e suas músicas maravilhosas

A idéia desta lista é de fevereiro deste ano, quando a postei no orkut. Desde então, ela é atualizada constantemente. Aceito contribuições.

Porta Aberta – Vicente Celestino (Porta Aberta)
http://www.youtube.com/watch?v=zYvtI4q_Gpk
Clássico absoluto do horário (nem tão) nobre. Houve quem dissesse ser o próprio Antonio Ismael, a quem dedico este post, a bradar “Pórita Berta”, dada a potência da voz do Peruquento. Boato tão antigo quanto a Tubaína Ouro Verde. O vídeo é um trecho do filme O Ébrio, de 1946, no qual Celestino interpreta Gilberto Silva (nome que, mais de 50 anos depois, tornaria sinônimo de mau zagueiro).

Sílvia Letícia – José Roberto (Programa Sílvia Letícia)
http://www.youtube.com/watch?v=CbmYY-Rq-xc
Depois de sair do Porta Aberta, em que dividia o papel de repórter com Antonio Ismael, Sílvia Letícia emplacou um programa próprio, que levava seu nome. Com uma música de abertura homônima, claro, composta por José Roberto em homenagem a Silvia, na primavera de 1972; uma canção tão obscura que é dificílimo encontrá-la na internet. O vídeo é uma criação própria em homenagem à dita-cuja. Ouvi-la é por sua conta e risco: a seqüência de notas agudas estranhamente faz estourar os tímpanos de quem a escuta. Por isso o programa saiu do ar, diga-se.

Ballade pour Adeline – Richard Clayderman (Porta Aberta Palavras Amigas)
http://www.youtube.com/watch?v=vlyC4O4GeqI
A balada para Adelina (quem será ela?) tem presença obrigatória em formaturas, festas de debutantes, casamentos — dependendo dos noivos –, enfim, eventos de gosto duvidoso. Desse jeito, só podia ser tema de Porta Aberta Palavras Amigas, um programa light apresentado também por A. Ismael, que dava conselhos sentimentais e espirituais e apresentava clipes do Pe. Zezinho scj. e os Cantores de Deus. Uma das músicas mais engraçadas da história da humanidade num vídeo com o Richard Clayderman andando de pianomóvel pelas ruas de Paris!

Blue Star – The Jordans (Pinga Fogo na TV)
http://www.youtube.com/watch?v=zGAheCaaNjw
Da vinheta que sobe antes do programa, religiosamente. É uma versão do tema de Medic. Já prediz o gosto do Pinga Fogo por riffs absurdamente geniais, o que prova que ele é, sim, uma pessoa culta. Não sei se ele paga direitos autorais; nem precisa, pois ele tornou essa e as músicas a seguir inesquecíveis para o público maringaense:

Fourth Rendez-Vous – Jean-Michel Jarre
http://www.youtube.com/watch?v=KvJVIXxb4Mw
No álbum dessa música, de 1986, deveria constar a primeira música gravada no espaço; só que o músico e astronauta que a executaria morreu no acidente do Challenger. Trágico. É impossível não escutá-la e dizer: “Opa! Tá falando com ele; meio-dia e trinta e dois”.

Does Your Mother Know – ABBA
http://www.youtube.com/watch?v=9BrCymiCKW4
Canção de interlúdio do grupo sueco.

Axel F – Harold Faltermeyer
http://www.youtube.com/watch?v=Cu9jFLM6lec
Outra de interlúdio; do filme Um Tira da Pesada, de 1984.

On Her Majesty’s Secret Service (Main Theme) – John Barry Orchestra
http://www.youtube.com/watch?v=JYpHNpyD7AM
Mais um interlúdio, do filme homônimo do agente 007, de 1969.

So Far Away – Dire Straits (Maringá Urgente)
http://www.youtube.com/watch?v=fcnP5CjOy1Y
Essa música dava o tom do programa de Ismael Santos. Eles usavam-na para tudo; até nas propagandas, como a da clínica de olhos do dr. Valter Cawahisa e de um método para largar o vício do cigarro.

Amanheceu, Peguei a Viola – Renato Teixeira (Domingo Popular)
http://www.youtube.com/watch?v=ifaj2Gu6QZ8
“Vem comigo Maringá, vem comigo Paraná!”. Hilário Gomes é jornalista, adora passeios ao ar livre, cinema, música, ler, escrever, conversar com gente inteligente, mulheres meigas, humildes, sociáveis; é moreno, tem 1,77 m, 86 kg, olhos e cabelos castanhos. Dizem que é simpático. E é mesmo. Um dia eu viajei de Londrina a Maringá no mesmo ônibus que ele (que trajava sua indefectível camisa laranja). E ainda apresenta um programa de TV. Parabenizo a escolha desta música para a abertura do Domingo Popular.

… e mais:

What a Wonderful World (Louis Armstrong) (RTV)
http://www.youtube.com/watch?v=vnRqYMTpXHc
Essa tocava no final da noite, quando se encerrava a programação da RTV. O pano era fundo eram imagens noturnas da cidade e uma mensagem de agradecimento pela audiência.