CINUEM

Depois de um pausa para o feriado, o CINUEM volta nesta quinta(8) com o filme “A Vida de Brian“:

A exibição começa às 18h30, no Auditório Ney Marques e a entrada é franca.

Não perca!

Anúncios

CINUEM

Amanhã, dia 11, voltam às atividades do CINUEM com o filme Uma Noite na Ópera, às 18h30, no Teatro Oficina:

O CINUEM exibe um filme por semana, sempre às quintas, e é aberto para toda comunidade.

Acompanhe a programação nesse blog.

A casa onde morreu David Brickman

O pessoal do blog tem comentado, e muito, sobre A Garota da Loja de Livros — Um Curta-Metragem Inteiramente Maringaense.

Foi na casa abaixo que faleceu, no outono de 1991, David Brickman, filho de Sarah e Issac, enquanto sonhava com Vivian, um anjo de ternura. O local é visitado por peregrinos que buscam por milagres.

Casa
.
Casa
.
Casa

Análise de vídeo: A Garota da Loja de Livros

Hoje vou utilizar todo meu conhecimento cinematográfico para fazer um resumo crítico do curta maringaense “A Garota da Loja de Livros” que o companheiro Felipe B. postou no último Maringá Entubada.

O curta maringaense, que mais parece novela mexicana, pois teve que ser dublado devido a problemas no áudio, conta a história de David Brickman. Ele é um jovem judeu que sofre de câncer há muitos anos e por isso tem uma vida melancólica, mas o que poucos notaram é que ele é um jovem a frente do seu tempo. David escuta no outono de 1991, uma música lançanda na primavera do mesmo ano. Uns cinco meses na frente dos mortais.

Sarah e Isaac Brickman são os pais de David. Com poucas esperanças de que o filho se recupere do câncer, eles decidem levá-lo para casa. Depois de três dias trancando no quarto, David decide sair para dar uma volta. Não antes de comer o bolo de nozes da mamãe que ele adora. Sua mãe, como uma boa judia, coloca um pedaço de bolo minúsculo. Economia pouca é bobagem para a família Brickman. Isaac também pega um pedaço de bolo e com cereja. Ele adora cereja.

Nessa volta de David pela cidade, sua vida muda para sempre. Além de esbarrar e ser ofendido por um figurante, ele encontra Vivian. Uma garota encantadora, uma garota atraente, uma garota deslumbrante, uma garota simpática, que trabalha em uma livraria. David se apaixona por Vivian e começa a ir todos os dias na livraria comprar livros, por causa dela.

David tem medo de ser rejeitado e por isso não fala para Vivian o que sente por ela. Mas o que ele não percebe é que ela também se apaixonou por ele. Ela até deixava bilhetes nos livros que ele comprava, mas ele era um garoto criado a “leite com pêra” e nunca pensou em abrir os livros que comprou. Seria melhor se apaixonar pela garota da biblioteca então, pelo menos não teria custos.

Acontece que depois de uma conversa com sua mãe, David toma coragem e escreve um bilhete para Vivian. Vestido com sua melhor camisa grunge, ele deixa o bilhete sobre o balcão da livraria e sai. Vivian lê o bilhete e decide ir ao encontro dele, mas era tarde demais. Quando Vivian chega à casa de David, é surpreendida pela notícia que ele havia morrido de câncer. E ela achando que ele tinha passado no vestibular.

No fim a mãe de David acha os livros que ele comprava só para ver Vivian e descobre que dentro deles havia bilhetes dela falando que gostava dele. Não sei se foi só eu, mas fiquei muito irritado com a burrice desse David. Já que comprou os livros, leia. Mas mesmo a história não sendo empolgante – tenho certeza de ter ouvido ela de alguma professora de catequese – o curta é bem produzido e digo que vale a pena você gastar 30 minutos do seu dia assistindo.

Outras informações:

Na comunidade do curta você encontra quem fez parte do elenco e equipe;

Além de assistir pelo youtube você pode encontrar o curta para empréstimo nas bibliotecas municipais da cidade. Mas já vou avisando que é difícil, Gustavo T. colocou seu nome na lista de espera há algum tempo e ainda não chegou a sua vez;

A livraria que Vivian trabalha é o Sebo Fonte do Livro;

A casa dos Brickman fica na Rua Princesa Isabel com a Cequeira Cezar, na Zona 4;

Foram gastos 35 mil reais para a produção do curta, esse dinheiro veio da lei municipal de incentivo à cultura;

A música do Nirvana que toca é Something In the Way.

Maringá Entubada…

Bem, Maringá não é uma cidade muito cinematográfica… Por isso, tenho que dar crédito aos poucos que se aventuram na sétima arte. Desta forma, apresento-lhes “A Garota da Loja de Livros”. O filme é dividido em três partes e foi uploadeado pelo usuário Ediretor. Na minha opinião, é bem boring. Mas eu não gosto de dramas mesmo! Quanto a análises aprofundadas, deixo isso para meus colaboradores do Maringá, Maringá.

Parte I

Parte II

Parte III

Abraço.

Algumas considerações sobre os cinemas de nossa cidade

Gu Gol
Nunca duvide da capacidade do Google em surpreender. Eis que ele dispõe aos internautas os horários de exibição de filmes nos cinemas em Maringá. São cinco opções aos espectadores — ou duas opções, se levarmos em conta os filmes infantis. POUCO.

Transtorno
Na quarta, dia 7, a família resolveu ir ao cinema assistir Bolt no Avenida Center. Ingresso a preço único — 4 reais –, mas que não dá direito a meia-entrada. Deveria. A fila estava enorme, devido aos seguintes fatores, em ordem de importância: promoção, crianças, férias. Até que um cara sai de trás da bilheteria e grita que não havia mais ingressos para a sessão.

Depois de termos sido feitos de besta, fomos para o shopping Cidade. E é claro que me lembrei porque adoro aquele lugar. Menos gente e preços mais baratos — a meia entrada era 3,5 reais. Além do mais, você pode comprar os refrigerantes na Americanas, que fica em frente ao cinema, e economizar mais uma grana — o atendimento na bombonière parece um sketch do Monty Python e me fez perder o começo do filme.

Sonia Braga faz escola
E eu entendi tamanho frisson em torno do filme. As pessoas estão se estapeando para conferir a participação (aqui e aqui) dos pombos da Raposo Tavares que se cansaram da vida pacata de assustar os passantes, comer migalhas de pão de cachorrão e fazer campeonato de quem acerta mais cocô em capô de carro estacionado. Os papéis foram conseguidos pelo Wall Barrionuevo e o curso intensivo de inglês foi feito na Looking 4 — tão bom que eles nem puxam o R.

— Glu, glu?
— Au, au.