Maringá e a Primeira Liga

A temporada 2016 do futebol brasileiro apresentou uma novidade: a Primeira Liga. Clubes do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul se organizaram de forma independente e, sem o apoio da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), ressuscitaram o torneio regional que havia sido disputado entre os anos de 1999 e 2002. A Copa Sul, disputada em 1999, e a Copa Sul-Minas, que aconteceu entre os anos de 2000 e 2002, serviram como embrião da proposta. Flamengo e Fluminense, descontentes com os desmandos da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (FERJ), também abraçaram a ideia. O certame indiscutivelmente proporciona encontros mais interessantes do que o dos malfadados campeonatos estaduais. Acredita-se também que a Primeira Liga poderá ser a futura e sonhada Liga Nacional de Clubes, que teria o poder de organizar os campeonatos nacionais no lugar da CBF.

Após a leitura do primeiro parágrafo, você me pergunta: por que falar da Primeira Liga em um blog sobre Maringá? Simplesmente porque o futebol maringaense faz parte dessa história.

O glorioso Grêmio Maringá esteve presente na Copa Sul em 1999 e na Copa Sul-Minas em 2000. A vaga na Copa Sul foi conquistada com o vice-campeonato da Copa Paraná em 1998. O Galo Guerreiro perdeu a final do torneio estadual para o Atlético-PR. Por isso, garantiu vaga no primeiro torneio regional do Sul do país. Integrou o Grupo C da Primeira Fase juntamente com Atlético-PR, Avaí (SC) e Juventude (RS). A campanha foi para lá de modesta: 1 ponto em 6 partidas.

COPA SUL 1999
31/01/1999 – Grêmio Maringá 0 X 3 Juventude
04/02/1999 – Avaí 2 X 0 Grêmio Maringá
08/02/1999 – Grêmio Maringá 0 X 2 Atlético-PR
11/02/1999 – Atlético-PR 3 X 0 Grêmio Maringá
18/02/1999 – Grêmio Maringá 1 X 1 Avaí
24/02/1999 – Juventude 2 X 1 Grêmio Maringá

No segundo semestre de 1999, o alvinegro maringaense novamente fez bonito na Copa Paraná e levantou a taça de campeão. A torcida lotou o Estádio Willie Davids na partida decisiva contra o Londrina e presenciou uma vitória inesquecível por 2 a 1. O Grêmio Maringá novamente conquistou a vaga no torneio regional, que virou Sul-Minas em 2000 com as presenças de Cruzeiro, Atlético-MG e América-MG. Na Primeira Fase, o Galo compôs o Grupo C acompanhado de Cruzeiro, Coritiba e mais uma vez o Juventude de Caxias do Sul. A campanha foi um pouco melhor do que a do ano anterior: 2 pontos em 6 jogos.

COPA SUL-MINAS 2000
22/01/2000 – Coritiba 2 X 0 Grêmio Maringá
27/01/2000 – Grêmio Maringá 0 X 1 Cruzeiro
30/01/2000 – Juventude 4 X 0 Grêmio Maringá
02/02/2000 – Cruzeiro 1 X 0 Grêmio Maringá
06/02/2000 – Grêmio Maringá 1 X 1 Juventude
13/02/2000 – Grêmio Maringá 2 X 2 Coritiba

Apesar dos resultados negativos, o Galo não fez feio em 2000. Protagonizou uma bela partida contra o forte Cruzeiro no Willie Davids, pressionando o clube mineiro desde o início. Infelizmente a bola não entrou e o artilheiro Oséas marcou o único tento cruzeirense aos 45′ do segundo tempo. Já eliminado no último jogo contra o Coritiba, arrancou um empate que abreviou a passagem de Joel Santana pelo Coxa. Somando as duas participações, o Grêmio Maringá não conseguiu nenhuma vitória.

oseáscruzeiro

Grêmio Maringá 0 X 1 Cruzeiro (Copa Sul-Minas 2000)

Agora batizado de Copa Sul-Minas-Rio, seria interessante que a Primeira Liga oferecesse nas próximas edições vagas para equipes do interior melhores qualificadas nos campeonatos estaduais. Tal fórmula estava prevista para ser adotada na Copa Sul-Minas de 2003, mas o torneio foi extinto pela CBF para privilegiar o Brasileirão de pontos corridos. Se retomarem a regra em questão, o Maringá Futebol Clube – vice-campeão Paranaense em 2014 e campeão da Copa Paraná em 2015 – ficaria apto para brigar por uma vaga. Se o Grêmio Maringá voltar para a Primeira Divisão Paranaense em 2017, também. A possibilidade de disputar um torneio com gigantes do futebol nacional representaria um estímulo e tanto para os clubes maringaenses.

A Primeira Liga pode e deve combater a CBF e as federações estaduais, mas a Copa Sul-Minas-Rio ficará mais forte e atraente com critérios técnicos que permitam a presença de clubes tradicionais do interior, como Maringá, Londrina, Operário de Ponta Grossa, Caldense, Brasil de Pelotas etc. Torcemos por isso.

Anúncios

Maringá Futebol Clube, de novo

O Metropolitano, time do Zebrão, subiu de divisão e mudou de nome. Agora é MARINGÁ FUTEBOL CLUBE. É assim que a equipe maringaense será chamada na principal divisão do futebol paranaense. Estreia domingo que vem (19/01), contra o Coritiba, no estádio Willie Davids. A RPC transmite a peleja.

Não é a primeira vez que temos um Maringá Futebol Clube nos representando. O futebol maringaense é marcado por idas e vindas do saudoso Grêmio Maringá, três vezes campeão paranaense, criado na década de 60 e que há muito anda mal das pernas. Nesse período, presenciamos o nascimento e extinção de várias agremiações que tentaram ocupar o espaço deixado pelo combalido galo guerreiro.

O outro M.F.C., que não tem nada a ver com o atual, é da década de 90. Para ser mais exato, 1995. Com muita pompa, o prefeito Said Ferreira incentivou a criação de um novo clube na cidade. Até Zico veio no evento de lançamento do M.F.C., o tricolor da cidade canção (verde, preto e branco). O mascote era o Lobo. O primeiro ano foi bom: título da terceirona do Campeonato Paranaense.

Em 1996, o regulamento do certame estadual era confuso. O grupo B, equivalente à segunda divisão – o Grêmio Maringá também estava lá – classificou dois times para a segunda fase da série A, entre eles, o Maringá. O tricolor não fez feio: terminou  a competição em sexto lugar, graças aos gols do artilheiro Mario.

Said Ferreira deixou o cargo em 1996 e o candidato da sucessão, o promotor de justiça Joel Coimbra, não logrou êxito. O eleito foi Jairo Gianoto, que cortou a ligação da administração municipal com o M.F.C. Sem um patrocinador forte, o tricolor teve vida curta. Fez campanha modesta no Paranaense de 1997 e caiu de divisão em 1998, quando encerrou suas atividades e nunca mais voltou.

Evento de lançamento do M.F.C. (fonte: blog Bola Velha).

Evento de lançamento do M.F.C. (fonte: blog Bola Velha).

Padrão FIFA (só que não)

No dia em que o futebol maringaense voltou a sorrir, com mais de 5000 pessoas no Willie Davids prestigiando a ascensão do Metropolitano para a elite do Paraná, não podemos fechar os olhos para os problemas que os torcedores enfrentaram no estádio.

Para começar, os portões só foram abertos às 18h30, ou seja, uma hora antes da partida. Com público recorde, muitos só conseguiram entrar no WD quando a bola já estava rolando. Faltou organização e bom senso para a diretoria do Metrô.

No intervalo, quem assistiu o jogo na arquibancada descoberta (como este que vos escreve) teve que encarar o novo banheiro do estádio. Quem foi o gênio que planejou aquilo? Certamente nunca pisou em um campo de futebol. Uma boa quantidade de dinheiro público torrado em um cubículo inadequado para a presença de milhares de torcedores. Com certeza, diante do que ocorreu ontem, vai precisar de uma nova reforma.

Esperamos que os erros de ontem sirvam de lição para a Prefeitura de Maringá (que administra o WD) e o Metropolitano. O maringaense ama o futebol e certamente irá prestigiar o clube na primeirona, mas exige o mínimo de respeito quando vai ao estádio. Do contrário, é melhor aguentar a narração do Jasson Goulart na RPC.

Luz de velas

O Milton Ravagnani levantou um tema pertinente: a precária iluminação do estádio do Willie Davids. Fui assistir Grêmio Maringá 1 x 2 Paraná Clube, no último sabádo (12) à noite, e constatei isso. É difícil enxergar a bola no outro lado do campo. E o estádio continua com outro problema: a falta de banheiros e lanchonetes continuam impedindo a utilização das arquibancadas descobertas.

Com dois times da cidade na segunda divisão estadual – Grêmio Maringá e Metropolitano -, esperava-se uma melhor estrutura para receber os jogos. Mas a administração SIlvio/Pupin, a primeira a exigir pagamento para inscrição da Prova Rústica Tiradentes e responsável pela construção do maior elefante branco esportivo de Maringá (o velódromo), não deve estar muito preocupada com a situação.

Foto que tirei no momento do gol do Grêmio. Um golaço.

 

Tiradentes privatizada

Li no Rigon, com indignação, que a tradicional Prova Rústica Tiradentes foi “privatizada”. Quem quiser participar, terá que pagar a bagatela de R$ 20.

Eis mais um legado da família Barros para a cidade: a elitização da prática desportiva.

Amistoso internacional

A Unimed/UEM/Maringá, equipe de handebol da cidade, enfrenta a seleção do Chile nesta terça-feira (21), às 20 horas, no Ginásio Valdir Pinheiro, na Vila Olímpica. Os chilenos se preparam para o Pan Americano de Guadalajara (México), que será realizado no mês de outubro. A entrada para o duelo amistoso é franca.

Cartola

O Brasileirão começa hoje, e com ele o tradicional game Cartola.

O meu SQUADRA MARINGÁ já está pronto para a estreia e escalado com Márcio (ATL – GO), Alessandro (BOT), Jairo Campos (ATL – MG), Digão (FLU) e Armero (PAL); Correa (AL-MG), Toró (FLA), Ralf (COR) e Wesley (SAN); Elton (VAS) e Loco Abreu (BOT); técnico: Toninho Cecilio (BAR).

Os cartolas de Maringá e região estão convidados para participar da Liga Maringá F.C. É só clicar no link da imagem abaixo e solicitar o convite.

Prova Rústica

Run for your life!

Mártir da Independência? Aniversário de Brasília? Esqueça: 21 de abril é dia de prova rústica. O Rafa já participou. Se você fizer uma rápida pesquisa no Google, verá que “prova rústica” é algo quase genuinamente maringaense — a única outra referência é Prova Rústica “Troféu Vanderlei Cordeiro de Lima”, promovida pelo SESC Interlagos, de São Paulo.

Prefiro a marcha atlética:

* A foto que ilustra o post foi tirada do site da Prefeitura. Aqui, vemos um printscreen do sítio da prefeitura. Perceba que alguém da assessoria de comunicação, naquele momento, estava pesquisando sobre Hugh Hefner, o fundador da Playboy.

Gomyde em Maringá

Na próxima segunda-feira (05/04), Maringá sedia a fase regional da III Conferência Nacional do Esporte, no anfiteatro Ney Marques, na UEM. As atividades começam às 13h30. O evento contará com a presença de Ricardo Gomyde, assessor especial do Ministério do Esporte, representando o excelentíssimo Ministro do Esporte Orlando “Lero” Silva.

Gomyde, filiado ao PCdoB, deputado federal mais jovem eleito no Paraná em 1994 (aos 24 anos), candidato a prefeito de Curitiba em 2008 e ex-presidente da Paraná Esporte, foi meu “patrão” quando trabalhei no Projeto Segundo Tempo entre 2005 e 2006. No projeto, as crianças participavam de atividades recreativas e esportivas no contraturno. Estagiei no Colégio Estadual Alfredo Moisés Maluf e foi uma boa experiência durante a graduação em educação física.

Assim como Rafa C., Gomyde não deve gostar muito de fotografias:

Esses fotógrafos, viu…

Vai, Rogério!

Ao contrário do Felipe, acredito que haja, sim, diversidade esportiva em Maringá, mas longe dos olhos do grande público (aí, concordo com ele). O esporte na região é promissor, não por patrocínios e incentivo público, mas sobretudo por iniciativas pessoais.

É o caso de Rogério Henrique Bezerra, o Rogerinho, com quem estudei no Colégio João de Faria Pioli, que participará da 16ª edição do Jungle Fight Championship, maior evento de MMA (Artes Marciais Mistas) da América Latina, em Vila Velha (ES), a ser realizado na noite de hoje. Será transmitido, ao vivo, pelo canal Combate, da tv paga.

Durante o torneio, Rogério irá disputar o título do Campeonato Brasileiro de Kickboxing na categoria até 75kg contra Luciano Gadi, capixaba de Vila Velha, com grande chance de sagrar-se campeão.

Vale lembrar que Rogério é o atual tricampeão paranaense, bicampeão brasileiro, campeão sul-americano, 6º lugar no Mundial e eleito atleta do mês pela Confederação Brasileira de Kickboxing.

Com informações da PMM e da GazetaOnline.
Foto: arquivo pessoal do atleta.

Leiria vs. Maringá

Acredito que o confronto do título nunca tenha ocorrido em campo — mas é boa sugestão de amistoso para quando uma boa equipe local aparecer. Leiria (Portugal), como cidade-irmã mais velha, dá uma boa lição para Maringá sobre o que deve ser um estádio de futebol (e todos sabem como irmãos mais velhos são bons em dar conselhos).

O Estádio Municipal de Leiria “Dr. Magalhães Pessoa”, casa da União Desportiva de Leiria, foi construído nos anos 1960, tendo recebido o nome de seu idealizador. Em 2003, passou por intensa reforma, com projeto assinado pelo arq. Tomás Taveira — o mesmo responsável pelo novo Palestra Itália (!) — ao custo de 20 milhões de euros, tornando-se um verdadeiro complexo esportivo e cultural. A capacidade é de cerca de 23 mil torcedores, podendo ser aumentada para até 30 mil.

A inauguração foi feita com o amistoso Portugal 8×0 Kuwait. De lá para cá, eventos realizados por lá incluem, pela Eurocopa 2004,  os jogos Suíça 0x0 Croácia, em 13 de junho, e Croácia 2×2 França, em 17 de junho, e shows da Daniela Mercury, em 2006, e de Martinho da Vila, em 2006 e 2008. Minhas lembranças do Willie Davids incluem apenas dois shows de Sandy e Jr. e Paraná 1×3 Palmeiras, em 11 de setembro de 2005.

Leiria também nos dá uma lição quando se fala em preservação da memória local, como diz o site Leirisport:

A intervenção inaugurada em 2003 recuperou um espaço com o qual, ao longo de várias décadas, os leirienses desenvolveram uma identificação afectiva, por ter sido o palco da dinâmica desportiva de toda uma região. A tradição não pôs, no entanto, em causa a inovação, na medida em que o Estádio Municipal é uma infra-estrutura de características até aqui inexistentes, embora desde há muito ambicionadas pelos responsáveis municipais e, sobretudo, pela população. As soluções técnicas e estéticas adoptadas concretizam o arrojo das intenções subjacentes à intervenção.

Às vezes subestimamos a inteligência dos portugueses. Aqui, podemos aprender muito com o exemplo de nossos irmãos de Leiria.

Fotos: Wikipedia e Flickr.

Aeromodelismo, kart e esportes caros.

Maringá não é exatamente rica em diversidade esportiva. A velha pelada, que acontece em qualquer canto, é dominante não só em Maringá, mas no Brasil todo… Mas, quase escondido dos olhos do povão, se escondem práticas esportivas muito interessantes… Aqui mesmo na Cidade Canção!

No aeroporto velho, por exemplo há alguns anos, foi construida uma pista de kart. Homens e mulheres de diversas idades competem semanalmente e alguns campeonatos da categoria base do automobilismo acontecem por ali. O espaço do aeroporto ainda é usado para prática de aeromodelismo. Lojas como a 100 Aero vendem equipamentos e aviões prontinhos para os fanáticos que tenham grana para investir neste entretenimento.

Existem times amadores de Futebol Americano, Rugby e Paintball na nossa cidade. Isso prova que, se você quer uma alternativa para as peladas, basta ter força de vontade e alguma grana!

Maringá ganha uma Escola de arte e cultura Oriental!

Quem nunca teve fascínio por algum aspecto da cultura oriental? Dotados e uma sabedoria milenar, os orientais são mestres da arte, filosofia e artes marciais! Desde criança, eu fui atraído por esta cultura tão rica! Foi por causa dessa paixão que conheci o Mestre Robson Bélli. Mestre de Kung fu e terapeuta, é responsável pela Escola Shen Zhen de arte e cultura oriental.

A escola oferece tanto aulas de Kung Fu quanto Taijiquan, Do-in, Mangá e Origami, podendo ainda expandir a quantidade de cursos oferecidos. Por isso, o Mestre Robson convida aqueles interessados em ministrar cursos para se juntar ao time Shen Zhen!

A escola fica situada na Av. Brasil, nº3080, sala 14 (1º andar), em frente ao restaurante Tempero Manero!

Shi Zu Robson Bélli

Torcida organizada…

É coisa do capeta!

tupmga

Número da besta a parte, a TUP – Maringá é da paz e está organizando uma caravana para o clássico Palmeiras x Corinthians em Presidente Prudente, no dia 01 de novembro. Para mais informações, acesse a comunidade dos caras clicando na imagem acima.

Jogo Aberto até 12:30!

“Porque eu quero ver gol, eu quero ver gol, não precisa ser de placa, eu quero ver gol”. Pelo menos até meio dia e meia na tela da Band.

Queremos de volta os 15 minutos que a TV Maringá/Band roubou do Jogo Aberto e cedeu para o funcionário dos Barros. Se você prefere Renata Fan a Pinga Fogo, deixe seu comentário de apoio.

Convoco também outros blogs a aderirem à campanha.

jogoaberto

Finalmente um time

Dessa vez não teve mentiras e Maringá não só tem um time, como ele já estreou.

Usando o nome da cidade e uniforme com as cores da bandeira. O time está disputando 2º Divisão da Liga A e vai mandar seus jogos no Wembley Stadium – isso até o Willie Davids ser liberado. Minanda é o destaque da equipe, o jogador experiente é o cérebro do time que conta com a juventude de Ruskin e Gutierrez.

Maringá apresenta elenco

Maringá apresenta elenco

Na estréia, Maringá jogou em sua casa temporária contra o Sparta Rotterdam e decepcionou os torcedores, que apesar da distância, lotaram o Wembley Stadium.

Maringaenses animados antes do jogo começar

Maringaenses animados antes do jogo começar

O jogo começou com Maringá melhor e,  aos 9 minutos, Jaric quase abriu o placar em cobrança de falta. Depois disso o Sparta melhorou, mas foi o time da Cidade Canção que quase abriu o placar. Em escanteio bem batido, Minanda quase marcou gol olímpico. A torcida se animou depois desse lance, mas o time começou a cair de rendimento  e no final do primeiro tempo Ivarov fez grande defesa no chute de Poepen.

No segundo tempo, repetindo o primeiro, Maringá começou melhor e levou perigo em outra falta batida por Jaric. Esse foi o último lance que levou perigo ao gol do Sparta que aos poucos começou a dominar o jogo. Nem a entrada de Gutierrez fez o time de Maringá  melhorar. E aos 83 minutos, Poepen de cabeça marcou o único gol da partida.

O próximo desafio do Maringá é contra o Portsmouth, só que agora pela Taça D2.

Mais informações da equipe maringaense no Rapidinhas.

Prometo esse time não vai acabar como os outros que já representaram a cidade. Isso só vai acontecer se meu computador pegar um vírus muito zoado. Um abraço e torçam!