Geraldão e Sônia Braga

Sônia Braga, nossa maringaense mais ilustre, emprestou seu nome para a primeira boneca inflável de Geraldão, personagem mais conhecido do cartunista Glauco, morto no mês passado. O blog postará a saga da boneca durante os próximos dias.

Anúncios

Maringá Entubada

Em Maringá haviam os fãs de Harry Potter (todos uns trouxas!), e hoje há os fãs de Crepúsculo. No começo dos anos 2000 não havia YouTube (sorte — decerto, veríamos vídeos de moleques tentando levantar uma vassoura com um “vingardium leviosa”). Mas hoje há, e há os que leem livros em tapetinhos de grama, há os que sabem o que você é, e há… vampiros!

Blog de empreendedorismo

Durante o ensino médio, na escola em cima do shopping, eu e Gustavo T. tivemos aula com Beto Mansur. Beto sempre chamou nossa atenção por dar uma abordagem irreverente à sociologia e, principalmente por falar muito de empreendedorismo. Graças a ele, escolhi a ciência econômica como minha graduação. Semana passada, encontrei o blog do professor Mansur. Nele você encontra textos dele sobre emrpeendedorismo e fica por dentro de como funciona o mundo dos negócios.

Acesse: http://betomansur.zip.net

Metafísica

Disse Voltaire que “o estudo da metafísica consiste em procurar, num quarto escuro, um gato preto que não está lá”. Talvez essa seja uma tarefa mais fácil do que decifrar o cartaz abaixo, colado na UEM, em foto do blog Click do Rato.

“Colaboração voluntária e amorosa”

Quase famosos

Ou quase anônimos? Uma série de celebridades lado B de Maringá. A personificação do underground e do roots.

Michael Jackson cover
Não sei nada sobre ele — apenas que participa esporadicamente de programas de TV. Tenho apenas um vídeo mal gravado e uma foto borrada tirada do Baú do Negrão. Quem o conhece? Quem tem o contato dele?

Pai e Filho
Uma dupla sertaneja formada por um pai e um filho (tóim!). Faziam participações em programas de TV vestidos de caipira. Recentemente, participaram do 1º Festival da Música Sertaneja Cultura AM. O bigode do pai é inesquecível. Quem os conhece? Quem tem o contato deles?


Vera e Duquinha
Até pouco tempo atrás, eles não tinham rosto para mim — só me lembrava de um Fiorino antigo com o nome da dupla, que fez um show em um bingo no João de Faria Pioli, há anos. Vi o Fiorino mais algumas vezes na Av. Nóbrega. O Rigon postou a foto do casamento da dupla, vestidos de árabe, em janeiro. Irc! Quem os conhece? Quem tem o contato deles?

Academia de Letras de Maringá (update)

No ano passado, fiz um post sobre a Academia de Letras de Maringá e agora preciso atualizá-lo.

Na época, descobri quem são os acadêmicos pelo site do Antonio Facci. Membro fundador e presidente da entidade entre setembro de 2001 até o seu falecimento em 10 de março de 2008. Hoje, o site dele não existe mais, mas existe um da própria ALM que você pode visitar clicando aqui. Nele você pode saber a história, membros e coisas do tipo.

E foi pelo site da ALM que fiquei sabendo que o Wall renunciou à sua cadeira e que agora é membro honorário.

Adivinha doutor quem tá de volta na praça?

É o pesquisas bizarras, divertindo a moçada.

E no hiato dessa série de posts fantástica, notamos que as pessoas ainda não sabem escrever Ody Park Aquático. Pesquisas do tipo “wod park maringa”, “fotos do oldy parke maringá” e “word park maringa” lotaram o morto de busca.

Além delas, tivemos outras curiosas:

o que faz a camera digital?
Depende o modelo, mas todas tiram fotos.

atestado.jpg
Leio isso e não paro de pensar em alguém querendo enganar o chefe.

famos pintar londrina
Primeiro “famos” ver como funciona.

show da exposiçao de maringua 2010
Porra, pessoa que escreveu isso.

tribo’s maringá fechou
Lógico que não! Ficou um tempo parado nas férias, mas voltou em fevereiro com todo gás. Acompanhe a agenda por aqui.

telefone das lojas americanas em maringa
numero de telefone da rodoviaria de maringá

Procurem aqui, leitores. Espero ter ajudado.

Leiria vs. Maringá

Acredito que o confronto do título nunca tenha ocorrido em campo — mas é boa sugestão de amistoso para quando uma boa equipe local aparecer. Leiria (Portugal), como cidade-irmã mais velha, dá uma boa lição para Maringá sobre o que deve ser um estádio de futebol (e todos sabem como irmãos mais velhos são bons em dar conselhos).

O Estádio Municipal de Leiria “Dr. Magalhães Pessoa”, casa da União Desportiva de Leiria, foi construído nos anos 1960, tendo recebido o nome de seu idealizador. Em 2003, passou por intensa reforma, com projeto assinado pelo arq. Tomás Taveira — o mesmo responsável pelo novo Palestra Itália (!) — ao custo de 20 milhões de euros, tornando-se um verdadeiro complexo esportivo e cultural. A capacidade é de cerca de 23 mil torcedores, podendo ser aumentada para até 30 mil.

A inauguração foi feita com o amistoso Portugal 8×0 Kuwait. De lá para cá, eventos realizados por lá incluem, pela Eurocopa 2004,  os jogos Suíça 0x0 Croácia, em 13 de junho, e Croácia 2×2 França, em 17 de junho, e shows da Daniela Mercury, em 2006, e de Martinho da Vila, em 2006 e 2008. Minhas lembranças do Willie Davids incluem apenas dois shows de Sandy e Jr. e Paraná 1×3 Palmeiras, em 11 de setembro de 2005.

Leiria também nos dá uma lição quando se fala em preservação da memória local, como diz o site Leirisport:

A intervenção inaugurada em 2003 recuperou um espaço com o qual, ao longo de várias décadas, os leirienses desenvolveram uma identificação afectiva, por ter sido o palco da dinâmica desportiva de toda uma região. A tradição não pôs, no entanto, em causa a inovação, na medida em que o Estádio Municipal é uma infra-estrutura de características até aqui inexistentes, embora desde há muito ambicionadas pelos responsáveis municipais e, sobretudo, pela população. As soluções técnicas e estéticas adoptadas concretizam o arrojo das intenções subjacentes à intervenção.

Às vezes subestimamos a inteligência dos portugueses. Aqui, podemos aprender muito com o exemplo de nossos irmãos de Leiria.

Fotos: Wikipedia e Flickr.

Adriano Valente: Cidadão Benemérito de Maringá

Em 1972, o então prefeito Adriano Valente recebeu o título de Cidadão Benemérito de Maringá.

Tudo indica que, com a morte de Valente, todos os cidadãos beneméritos titulados no ano do Jubileu de Prata da Maringá já faleceram. Também foram nomeados, em 1972, Ênio Pipino e João Pedro Moreira de Carvalho (da Colonizadora Sinop, ambos falecidos em 1995); Paulo Vieira de Camargo (advogado, à época Presidente da Câmara, falecido em 8 de janeiro passado); Jorge Sato (médico, então ex-Presidente da Câmara e deputado estadual reeleito, falecido em 2006); Antonio Domingues dos Santos Júnior (Meretíssimo Juiz de Menores e Eleitoral); Walter Peracchi Barcelos (então diretor do Banco do Brasil e ex-governador do Rio Grande do Sul, falecido em 1986); Oswaldo Roberto Colin (diretor do Banco do Brasil e posteriormente presidente do BB,  também falecido) e o General Emílio Garrastazu Médici, então Presidente da República, falecido em 1985.

Fonte: Câmara Municipal de Maringá

Adriano Valente: Ordem do Ipiranga

O paulistano de nascença Adriano José Valente, morto esta semana, então deputado federal da Arena paranaense, recebeu a mais alta honraria do Estado de São Paulo: a Ordem do Ipiranga, no grau de Grande Oficial, o segundo mais alto (sendo que o mais elevado, o de Grão-Mestre, é exclusivo de instituições e organizações). Era o ano de 1981. O governador à epoca era o senhor Paulo Salim Maluf, que assinou o decreto nº 17/81, no qual concedia a condecoração, reservada a cidadãos que prestaram serviços de grande importância ao Estado mais rico do Brasil e ao povo paulista.

Uma curiosidade: no ano passado, Inezita Barroso foi agraciada com a mesma honraria.

Foto: Murilo de São José dos Campos

Aeromodelismo, kart e esportes caros.

Maringá não é exatamente rica em diversidade esportiva. A velha pelada, que acontece em qualquer canto, é dominante não só em Maringá, mas no Brasil todo… Mas, quase escondido dos olhos do povão, se escondem práticas esportivas muito interessantes… Aqui mesmo na Cidade Canção!

No aeroporto velho, por exemplo há alguns anos, foi construida uma pista de kart. Homens e mulheres de diversas idades competem semanalmente e alguns campeonatos da categoria base do automobilismo acontecem por ali. O espaço do aeroporto ainda é usado para prática de aeromodelismo. Lojas como a 100 Aero vendem equipamentos e aviões prontinhos para os fanáticos que tenham grana para investir neste entretenimento.

Existem times amadores de Futebol Americano, Rugby e Paintball na nossa cidade. Isso prova que, se você quer uma alternativa para as peladas, basta ter força de vontade e alguma grana!

Maringá ganha uma Escola de arte e cultura Oriental!

Quem nunca teve fascínio por algum aspecto da cultura oriental? Dotados e uma sabedoria milenar, os orientais são mestres da arte, filosofia e artes marciais! Desde criança, eu fui atraído por esta cultura tão rica! Foi por causa dessa paixão que conheci o Mestre Robson Bélli. Mestre de Kung fu e terapeuta, é responsável pela Escola Shen Zhen de arte e cultura oriental.

A escola oferece tanto aulas de Kung Fu quanto Taijiquan, Do-in, Mangá e Origami, podendo ainda expandir a quantidade de cursos oferecidos. Por isso, o Mestre Robson convida aqueles interessados em ministrar cursos para se juntar ao time Shen Zhen!

A escola fica situada na Av. Brasil, nº3080, sala 14 (1º andar), em frente ao restaurante Tempero Manero!

Shi Zu Robson Bélli

Google Earth

Verdadeira revolução foi o lançamento o Google Earth, que mudou a maneira como nos relacionamos com nosso planeta. Seria válido, até mesmo, usar a sigla IBGE para designar um Instituto Brasileiro do Google Earth, tamanha representatividade tem ele em nossas vidas. Sua mais recente utilização, por aqui, foi na propaganda de TV do sistema binário.

Um marco foi o fim dos mapas indicativos mal-feitos, aqueles feito no papel de pão com caneta bic, para localizar a tal chácara em Iguaraçu onde aconteceria festa de confraternização da firma. Tais mapas, toscos, sem escala, feitos na base do achismo, só encontram resistência à sua extinção nas propagandas imobiliárias, nas quais qualquer empreendimento, em qualquer lugar, sempre parece estar a cinco minutinhos do Centro. E foi-se o tempo em que mapas topográficos eram restritos, por questão de segurança nacional.

De fato, nos últimos anos, as geotecnologias evoluíram muito. Porém, o sonho de imagens de satélite em tempo real está longe de ser uma realidade. O Rafa C. sempre lembra que o pezinho de mexerica do fundo de seu quintal, derrubado há anos, ainda aparece no software. Foi procurando mais uma vez a árvore que usei um novo recurso do Google Earth: as imagens históricas.

As imagens que cobrem Maringá vão de 2002 a 2007, sendo que este último ano só cobre parte da zona oeste da cidade, cujas imagens, em sua maioria, datam de 2005. Daí o pezinho de mexerica, que só existe em meio digital.

É um prato cheio. Vejamos o centro de Maringá:

28.03.2003

01.07.2005

Na primeira imagem, de 2003, o terminal ainda era no meio da Tamandaré, ainda com suas duas pistas. O Novo Centro era usado como uma garagem de ônibus a céu aberto. Não havia ainda a Avenida Horácio Racanello. O prédio da CMNP estava abandonado, usado em parte como estacionamento. O antigo Hotel Esplanada e construções adjacentes ainda existiam. A TCCC, naquele momento, usava a Raposo Tavares e a Renato Celidônio como vitrine de seus novos ônibus.

A segunda imagem já traz o terreno do Hotel Esplanada “limpo”, bem como o pátio da sede da CMNP. O novo terminal já estava feito, e barracas faziam as vezes de ponto de ônibus. Já há a Horácio Racanello. A antiga Rodoviária continua sendo usada, e ainda exibe sua estrutura metálica. A Tamandaré virou via da mão única, e muitas árvores derrubadas para isso não nos foram devolvidas até hoje.

Como será a imagem da próxima atualização do Google Earth? De certo, com ainda menos árvores e com a antiga Rodoviária demolida. Uma pena.

Sede da UMES

Hoje a sede da UMES (M. Uainerrauz já passou uma noite lá) foi lavada com água e sabão — num ato mais simbólico do que propriamente “faxinal”, pois uma quiboa cumpriria melhor o serviço. De qualquer forma, é uma iniciativa para se aplaudir, a favor da família maringaense, um marco que talvez renda bons frutos.

Coincidência, hoje chegou às minhas mãos o livro Maringá: Geografia Regional, datado de fevereiro de 1964, de autoria de Renato Bernardi e ilustrações de Nelson Poppi, uma delas retratando a sede da UMES. Achei que fosse um furo, mas JC Cecílio, Oséias Miranda e a própria UMES já colocaram a imagem na internet. Nenhum deles, entretanto, faz referência à obra.

Diz Renato Bernardi, em seu livro, aos estudantes: “Você não é sócio da União Maringaense de Estudantes Secundários? Pois bem, o terreno onde está se erguendo a majestosa sede da UMES foi gentil doação da Companhia [Melhoramentos Norte do Paraná]”. Ele continua, páginas adiante: “Para congregar e defender os estudantes e seus interesses, foi fundada, em junho de 1958, uma associação de alunos de ensino médio: a União Maringaense de Estudantes Secundários. Sua fundação se deveu a um grupo de jovens entusiastas e idealistas. Possui uma bela sede, construída em parte, na Avenida Cerro Azul. A parte pronta da sede onde funciona o restaurante estudantil e a sala de expediente pode ser vista no desenho da figura nº 13”:

Fachada da sede da UMES por Nelson Poppi, em 1964

Por fim, o autor nos fala: “A Casa do Estudante Secundarista de Maringá (CESM), órgão dependente da UMES, mantém um restaurante para 100 estudantes a preços razoáveis, contando, para isso, com o auxílio municipal, em pequena quantidade e, copiosamente, com a coragem e o idealismo que sempre caracterizaram as iniciativas estudantis”.

Interessante que Rigon lembra que o professor Renato Bernardi às vezes comia no bandejão.

Serviço Militar.

Bom, como todos sabemos, Maringá possui um forte representante do Exército Brasileiro bem no meio da Av. Mandacaru. Fundado pelo Prefeito Silvio Magalhães Barros I, possui uma estrutura imensa e é considerado o maior Tiro de Guerra do Brasil (e do mundo, por que não?).

No ano de 2009, eu fui o Atirador 206 Bento e, posteriormente, o Monitor Bento do Tiro de Guerra. Como a maioria das pessoas que nunca serviram, eu tinha muitas dúvidas quanto ao papel do TG aqui em Maringá, então resolvi fazer um post para compartilhar aquilo que eu aprendi.

Pelo fato de o serviço militar ser obrigatório, não existe essa coisa de “entrei por que quis”. A maioria dos maringaenses não querem servir porque acham que o TG não serve pra nada na sua vida. Bom, realmente não serve pra nada se você não souber fazer, como o Sgt. Santos (chefe do TG 05-009 Maringá) sempre dizia, uma limonada dos vários limões que você ganha por lá.

Além do acréscimo de responsabilidade e as muitas horas de sono perdidas, temos oportunidades que a maioria das pessoas nunca vão ter. Pra dizer a verdade, resolvi fazer esse post só pra mostrar esse vídeo:

Da fila para o Rigon

A lotérica de Maringá mostrada em vários telejornais desse Brasil por causa disso, já foi palco de uma boa ação minha e me fez aparecer no Blog do Rigon.

Tudo começou na manhã do dia 10 de março de 2008, uma segunda-feira. Nesse dia fui na lotérica com os objetivos de: pagar contas e jogar na Mega-Sena. Chegando lá tudo normal, ou seja, calor, fila enorme e chão sujo. Então me dirigi até o último da fila, que era uma senhora, e tomei seu lugar.

Fiquei na minha, enquanto a fila caminhava a passos lentos. Às vezes rolava umas conversas absurdas e eu prestava atenção, mas sem me intrometer. Depois de meia hora na fila, quando eu já era o segundo para ser atendido, começou a ação. A senhora que estava na minha frente começou a balançar estranhamente. No começo não importei, sei lá, achei que fosse algum tic nervoso. Então ela se apoiou numa parada que tem para organizar a fila e quase caiu. Eu ainda achava que era um tic, mas a senhora que estava atrás de mim, com toda astúcia e experiência, me alertou: “Acho que ela tá passando mal” e apontou para senhora da minha frente.

Como isso fazia mais sentido que a minha teoria de tic nervoso, falei com a senhora da frente.

-A senhora tá bem? – perguntei.
-Tá tudo escuro e rodando! – respondeu. Já se apoiando em mim.

Logo alertei o pessoal que trabalha na lotérica e pedi uma cadeira para que a senhora sentasse. O dono da lotérica trouxe uma cadeira e pediu um telefone de contato, então a senhora passou um número para que ele ligasse. Tudo resolvido, paguei as contas, fiz os jogos e fui embora.

Cheguei em casa contando a todos o ocorrido, também disse para alguns amigos no MSN e segui meu dia normalmente, ou seja, joguei Winning Eleven, assisti alguns seriados, estudei e dormi. No outro dia, ao acordar, sou surpreendido pela fala do meu irmão.

-Cara!Você tá no Rigon.
-ahm? – perguntei, ainda acordando.
-Lembra que você contou da mulher que passou mal na lotérica?
-Lembro.
-Tem foto no Rigon.
-CARALEO! Mostra aí.

Então ele me mostrou o post. Achei o maior barato, pois muitas pessoas tinham duvidado que eu fosse capaz de ajudar alguém. Mas com essas provas, não restaram dúvidas. Por isso agradeço ao Rigon – pelo post – e ao cidadão que tirou as fotos. Sem vocês eu não seria considerado um cidadão do bem.

Estou descaracterizado, sem calça jeans e All Star, mas sou eu de laranja.

Estou descaracterizado, sem calça jeans e All Star, mas sou eu de laranja.

*Apesar do visual diferente a lotérica da foto é a mesma do vídeo. Ela mudou de endereço esse ano, mas continua na mesma avenida e com o mesmo dono.

*Foi esse texto que fez o Gustavo T. me chamar para o Maringá, Maringá. Postei ele ano passado no Algo Besta.

*Ainda no ano passado, algum apostador dessa lotérica ganhou 300 mil na Lotofácil, ou na Quina. Não lembro direito.

*Nesse ano acertei a quadra na Mega-Sena, mas fiz o jogo em outra lotérica.

ENEMP 2017

Informação relevantíssima: blog divulga, em primeira mão, que o ENEMP 2017 – XXXVIII Congresso Nacional de Sistemas Particulados – será realizado na UEM, provavelmente em outubro. Pessoal da Engenharia Química e áreas afins, preparem-se.

Só quero chamar a atenção para a baixa atualização que o blog vem tendo nos últimos meses. Realmente, a universidade nos ocupa muito tempo!

Carta de Enio Pipino a Zeferino Vaz

Enio Pipino, então diretor da Colonizadora Sinop, enviou esta carta — por mala direta, é certo, mas ainda tem seu valor — da sala F do Edifício Maria Tereza a Zeferino Vaz, então reitor da Unicamp, há 35 anos, em 8 de novembro de 1974. O original está no Arquivo Central do Sistema de Arquivos (SIARQ) da Unicamp, nos arquivos do ex-reitor.

Diz o texto:

Excelentíssimo senhor, a Colonizadora SINOP S.A., permite-se fazer à apreciação de Vossa Excelência o trabalho em anexo, que tenta descrever o que vimos levando a efeito na Gleba CELESTE, na região Amazônica do Mato Grosso.Numa extensão de área de 150 mil alqueires, realizamos, em pouco menos de dois anos, um trabalho de colonização calcado na experiência de 5 lustros de atividades na região do Noroeste Paranaense. Levando, para essa parte da Amazônia, uma sorte de conhecimentos então adquiridos, estamos participando da saga da conquista dessa parte do território brasileiro.

Com a tentativa de dizer o que fazemos, passamos à ilustrada apreciação de Vossa Excelência o trabalho em anexo.

Valemo-nos da honrosa circunstância para sublinhar manifestações de alto e distinguido preço.

Enio Pipino, diretor.

Infelizmente, o anexo se perdeu. Mas no documento também consta a resposta manuscrita de Zeferino Vaz:

Gabinete
Acusar recebimento, agradecer a gentileza da remessa do folheto “Um passo de conquista da Amazônia” e cumprimentar pela excelência do trabalho desenvolvido, de tão alto interesse para o desenvolvimento da Nação. 19/XI/1974

* A cidade de Sinop havia sido inaugurada no dia 14 de setembro daquele ano.

* Enio Pipino faleceu em 16 de junho de 1995. Está enterrado em Maringá.

* Por sinal, o campus da UEM em Goioerê fica na Av. Reitor Zeferino Vaz, s/n. Quem diria!