Carta da Ossada Branca

Mestre Rennyo

Considerando-se com atenção a aparência da frágil vida dos homens, vemos quão fugaz é esse período, em que todas as coisas mundanas são semelhantes a miragens. Nunca se ouviu falar de alguém que tenha vivido dez mil anos. A vida flui tão rápida! Quem consegue manter-se até a idade de cem anos? Nem eu nem ninguém pode garantir o dia de hoje ou o dia de amanhã. Dizem que os que hão de morrer e os que já morreram são mais numerosos do que os pingos de chuva que já caíram e das gotas de orvalho que ainda cairão. Nosso corpo, que pela manhã ostenta faces rosadas, ao entardecer pode estar transformado em uma ossada branca. Quando sopra o vento da impermanência, os dois olhos se fecham imediatamente e a respiração cessa definitivamente. Então as faces rosadas irremediavelmente se transformam e o semblante perde sua beleza comparável à de um pêssego. Os parentes se reúnem para chorar e lamentar, mas nada disso adianta mais nada. Urge tomar as providências necessárias e o corpo, conduzido ao crematório, desfaz-se em fumaça no meio da noite, restando apenas a ossada branca. Podemos dizer que é penoso, mas as palavras nem dão conta de tanta dor. A fragilidade do ser humano nem sequer estabelece distinção entre velhos e jovens. Assim, todos devem ter em mente a questão extremamente grave que é a Vida Póstuma, confiando profundamente no Buda Amida e recitando o Nembutsu. Salve! Salve!

Uma resposta em “Carta da Ossada Branca

  1. Pingback: Duas frustrações « Maringá, Maringá

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s