“Respeitável público”, com vocês Rita linda!

Por Alessandra Sardeto

cam da Le 278

Foi caro, foi raro, foi único, foi um arraso. O “Multishow Rita Lee”, no Teatro Marista nessa última sexta-feira, durou aproximadamente uma hora e quarenta minutos e contou com telões de  alta definição e da mais elevada originalidade. O ponta pé inicial do show foi dado com a música “Flagra”. Nesse espaço de tempo a cantora até poderia ser mais original, mas não teria como, inclusive o bom e velho rock and roll foi indispensável, já que a cantora não deixou Chuck Berry de fora do seu inofensivo repertório.

Particularmente o show teve vários ápices, mas para a alegria da comunidade maringaense ,um dos momentos mais celebrados foi quando,em tom de humor, a roqueira cantou “Maringá,Maringá”.

A platéia (aparentemente) “Cult”, do Teatro Marista não pode se queixar de falta de interação por parte da cantora, que por modismos televisivos apresentou sua banda como “Os Dalits”, e até contou sobre o capítulo da novela “Caminho das Índias”. “Are Baba!” foi o dialeto usado pela cantora de modo intensamente humorístico. Dando um pulo da Índia para o Japão, antes de cantar O bode e a Cabra – versão de “I Wanna Hold your hand” dos Beatles, a mutante aproveitou para mandar (gentilmente) Yoko Ono se fuder, já que a viúva de Lennon demorou oito anos para liberar a versão brasileira.

Coisa notável eram os olhos da cantora, que não passavam despercebidos, reluziam em cima do palco de modo vibrante-assim como as cores psicodélicas de suas roupas. O cabelo (menos) vermelho que de costume foi motivo de irreverência; diz ela que errou na tinta.

A cantora matou a sede de uma Maringá que pedia algo “não-sertanejo” e fez a platéia beber quente – como um licor (um pouco salgado) – o rock brasileiro na sua melhor boa forma. Cada centavo pago por esse show foi tão válido, que se necessário rasparia toda minha poupança novamente. Ela é singular, ela é diva, ela é irreverente, maravilhosa, contemporaneamente velha, louca, linda, essa ovelha de quem falo Senhores! , é a senhora sua tia, Rita Lee Jones.

Para ler outros textos de Alessandra Sardeto, click aqui,

Uma resposta em ““Respeitável público”, com vocês Rita linda!

  1. Pingback: Mulher « Maringá, Maringá

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s